Como a propriedade intelectual pode impulsionar as empresas brasileiras

No mercado globalizado e competitivo, ganhar espaço é uma tarefa difícil. Mas para quem possui ativos de propriedade intelectual, como marcas, patentes, indicações geográficas e desenhos industriais, tudo fica mais fácil. Casos como o do Vale dos Vinhedos, reconhecido como indicação geográfica, e da Apilani, empresa carioca que investe no desenvolvimento de máquinas para a indústria alimentícia, comprova esta tese e servem de inspiração para novos empreendedores. É o que ficará claro no Seminário sobre Inovação e Propriedade Intelectual, promovido pelo INPI e o Sistema Indústria, que será realizado no dia 11 de março, no Rio de Janeiro, durante a Olimpíada do Conhecimento, no Riocentro.
Fonte: Site INPI
Desde que obteve do INPI o registro de indicação geográfica em 2002, a região do Vale dos Vinhedos (RS), produtora de vinho, valorizou sua terra em 200%, e o número de turistas só cresce. O reconhecimento desta região será demonstrado pelo presidente da Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos, Aldemir Dadalt. O outro caso de sucesso em propriedade intelectual, da Apilani, será apresentado por seu diretor comercial da empresa, José Vilani, que mostrará como a empresa vem ganhando espaço no mercado a partir de soluções inovadoras protegidas por patentes.
A importância da propriedade intelectual no contexto do desenvolvimento tecnológico e industrial será analisada pelo diretor de articulação do INPI, Sérgio Paulino. Para reforçar a importância dos ativos de propriedade intelectual, o especialista Eduardo Tomiya falará sobre o valor das marcas. Só para dar uma idéia, marcas como Google valem mais de US$ 60 bilhões e representam quase metade do valor destas empresas.
O seminário que acontece das 9h às 13h, será aberto pelo presidente do INPI, Jorge Ávila, pela diretora de inovação e meio ambiente da FIRJAN, Marilene Carvalho, pelo diretor geral do SENAI, José Manuel Martins.